PIB brasileiro deve encolher 6,51% em 2020, aponta Boletim Focus

Para a Selic no ano que vem, os economistas preveem uma taxa de 3%, ante estimativa de 3,50% na semana passada

Em reflexo aos impactos potenciais do novo coronavírus na economia, agentes do mercado financeiro no Brasil cortaram pela 18ª semana seguida suas expectativas para o PIB (Produto Interno Bruto) e inflação.
As expectativas estão no Boletim Focus, que é divulgado toda segunda-feira pelo Banco Central e traz as expectativas do mercado para os principais indicadores econômicos do país.
 

PIB
 
O mercado cortou a projeção do PIB para este ano pela 18ª semana seguida.
O corte reflete as mudanças nas expectativas anunciadas por instituições financeiras nas últimas semanas, após o aumento dos receios quanto aos efeitos da epidemia de coronavírus na economia mundial e no Brasil.
Na semana passada, a previsão do Boletim Focus era de queda de 6,48% e agora é de tombo de 6,51% em 2020. Para o ano que vem, a estimativa de crescimento foi mantida em 3,50%.
 

Selic
 
A projeção dos economistas é que ao final deste ano, Selic seja de 2,25% ao ano, mesma projeção das últimas quatro semanas.
Para a Selic no ano que vem, os economistas preveem uma taxa de 3%, ante estimativa de 3,50% na semana passada.
 

Inflação
 
As projeções para a inflação, medida pelo indicador do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), subiu de 1,53% para 1,60% neste ano. Para o ano que vem, a projeção caiu de 3,10% para 3%.
A meta de inflação a ser perseguida pelo BC é de 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,50% para 2022, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.
 

Dólar
 
A expectativa para o dólar no final deste ano caiu de R$ 5,40 para R$ 5,20. Para o ano que vem, a estimativa caiu de R$ 5,08 para R$ 5.

 

Fonte: Valor Invest

Outros artigos